Glossário


Significado de nomes, termos e conceitos :




 Activity Based Costing : O método ABC (Activity Based Costing) é uma técnica de contabilidade analítica nascida no final dos anos 80. Permite determinar quais os custos indiretos a imputar a um produto ou serviço consoante o tipo de atividade a que se referem. Os sistemas tradicionais de contabilidade analítica repartem proporcionalmente os custos indiretos segundo critérios como o número de horas de trabalho manual, o número de horas por máquina ou a área ocupada por cada centro de custo. Segundo o método ABC os critérios de repartição destes custos diferem conforme o tipo de atividade.   




Análise de processo : Método para identificar o relacionamento entre as principais causas e seus efeitos. Pode ser utilizada para identificar a causa fundamental de um problema, para se determinar padrões de valores ótimos para as causas de modo a se obter os melhores efeitos, para reduzir a dispersão, etc. Consiste em partir de um resultado e procurar a causa fundamental entre várias que compõem o processo.  



Análise de valor : É uma metodologia de gestão criada nos anos 50 pelo americano Lawrence Miles. Consiste em decompor um produto ou serviço nas suas funções principais e, em seguida, delinear as soluções organizacionais mais apropriadas para reduzir os custos de produção. Implica uma análise detalhada do valor criado pela empresa por meio da distribuição dos custos totais de um produto ou serviço pelas suas diferentes etapas: concepção, fabrico, venda, distribuição e serviço aos clientes. Este conceito deu origem às noções de cadeia de valor, de valor acrescentado do produto ou serviço e de shareholder value (valor para o acionista) cuja autoria pertence a Alfred Rappaport.    



Análise do valor: Esforço organizado dirigido à análise das funções de sistemas, produtos, especificações, padrões, práticas e procedimentos com a finalidade de satisfazer às funções requeridas a um custo total menor. O mesmo que Engenharia do Valor e Gerenciamento do Valor.             



Andon: Do japonês significa sistema de alerta.



Auditor da qualidade: Pessoa que tem qualificação específica para executar auditorias da qualidade. AUDITORIA Exame sistemático e independente, para determinar se as atividades da qualidade e seus resultados estão de acordo com as disposições planejadas, se estas foram implementadas com eficácia e se são adequadas à consecução dos objetivos.          



Auditoria da qualidade: Exame sistemático e independente para verificar se as atividades e resultados obtidos satisfazem o planejamento da qualidade; se este planejamento está eficazmente implantado e é adequado para atender aos objetivos da organização.  



Auditoria da qualidade: feita pelo PRESIDENTE Auditoria conduzida pelo Presidente ou por uma equipe sob a liderança do Presidente da organização.              



Auditoria do produto: É conduzida para verificar se os produtos que sofreram inspeção estão completamente em conformidade com as exigências e necessidades da qualidade. 



Auditoria do sistema da qualidade: Auditoria conduzida para verificar se a política da qualidade (ver) e o sistema da qualidade (ver) estão perfeitamente assimilados na organização. É a auditoria conduzida pela alta administração, pelos gerentes seniores e pelo Escritório do TQC.            



Auditoria externa: Forma de auditoria em que o consultor permanece na organização durante alguns dias e produz um relatório com recomendações e sugestões.



Avaliação de processos: Atividade integrante do Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia (ver), conduzida para verificar se cada processo da empresa é capaz de alcançar o nível de qualidade estabelecido no projeto. É uma forma eficiente de verificação do cumprimento dos padrões e de identificação de problemas.  



Balanced Score Card – BSC: Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan e David Norton, em 1992. Os métodos usados na gestão do negócio, dos serviços e da infra-estrutura baseiam-se normalmente em metodologias consagradas que podem utilizar a TI (tecnologia da informação) e os softwares de ERP (Enterprise Resource Planning) como soluções de apoio, relacionando-a à gerência de serviços e garantia de resultados do negócio. Os passos dessas metodologias incluem: definição da estratégia empresarial, gerência do negócio, gerência de serviços e gestão da qualidade; passos estes implementados através de indicadores de desempenho.           



Benchmark: Termo que indica “o(s) melhor(es) resultado(s) do mundo” dentre as organizações concorrentes, em determinados itens de controle. Observa-se atualmente a tendência de se ir além da análise dos concorrentes e procurar apresentar um desempenho ainda melhor como referencial.  



Benchmarking: Do inglês significa melhorar por um padrão conhecido ou comparável.



BENCHMARKING: Processo de comparação sistemática de produtos e serviços com os oferecidos pela concorrência ou por empresas consideradas excelentes em algo determinado. O objetivo do “benchmarking” é o de conhecer e, se possível, de incorporar o que os outros estão fazendo de melhor. Tipos de Benchmarking: Interno, quando se compara atividades semelhantes dentro da mesma organização; Competitivo, quando se compara atividades semelhantes com os concorrentes; Funcional, quando se compara atividades semelhantes conduzidas dentro de empresas de ramos diferentes.        



Best-in-Class: Do inglês significa algo como “O melhor entre os melhores”.



BI- Business intelligence: um método que visa ajudar as empresas a tomar as decisões inteligentes, mediante dados e informações recolhidas pelos diversos sistemas de informação. Sendo assim, BI é uma tecnologia que permite às empresas transformar dados guardados nos seus Sistemas, em informação importante e de qualidade para a tomada de decisão         



Black belts: São profissionais treinados para atingir metas (resolver problemas) por meio do emprego de técnicas estatísticas, como ferramentas analíticas. Os Black Belts são formados a partir de um programa de treinamento, durante o qual desenvolvem três projetos práticos que resultarão em grandes ganhos financeiros para a empresa.       



Brainstorming: mais que uma técnica de dinâmica de grupo, é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa dos indivíduos no menor tempo possível, ou seja, troca de ideias             



Branding : trabalho de construção de uma marca no mercado  



Break-even: É um modo simples e eficaz de medir a rentabilidade (ou prejuízo) de uma empresa ou de uma operação financeira. Permite igualmente fazer simulações alterando as variáveis de cálculo. O objetivo desta análise é a determinação do break-even point (ponto morto das vendas), no qual o valor das receitas da empresa (lucro de vendas) é igual aos seus custos totais (somatório dos custos fixos e variáveis). Logo, este será o ponto de equilíbrio em que a empresa nem perde nem ganha dinheiro. Acima do break-even point a empresa terá lucros, e abaixo dele terá prejuízos. Outro conceito relevante é o da margem de contribuição (ponto em que as receitas igualam os custos variáveis).          



BRICS :  Em economia, BRICS é um acrônimo que se refere aos países membros fundadores (o grupo BRICS: Brasil, Rússia, Índia e China),, como grandes mercados emergentes,que juntos formam um grupo político de cooperação. Em 14 de abril de 2011,[1] o "S" foi oficialmente adicionado à sigla BRIC para formar o BRICS, após a admissão da África do Sul (em inglês: South Africa) ao grupo.[2][3][4] Os membros fundadores e a África do Sul estão todos em um estágio similar de mercado emergente, devido ao seu desenvolvimento econômico. É geralmente traduzido como "os BRICS" ou "países BRICS" ou, alternativamente, como os "Cinco Grandes".



Briefing: todas as informações necessárias para realização de uma determinada ação;  



Budget: orçamento       



Business plan: plano de negócios           



Cadeia de valor: Designa a série de atividades relacionadas e desenvolvidas pela empresa para satisfazer as necessidades dos clientes, desde as relações com os fornecedores e ciclos de produção e venda até à fase da distribuição para o consumidor final. Cada elo dessa cadeia de atividades está ligada ao seguinte. Esta é uma metodologia usada pela consultora McKinsey, sistematizada e popularizada por Michael Porter, que permite decompor as atividades (divididas em primárias e de suporte) que formam a cadeia de valor. Segundo Porter, existem dois tipos possíveis de vantagem competitiva (liderança de custos ou diferenciação) em cada etapa da cadeia de valor.



Cascade Training: Do inglês significa treinamento em cascata ou de cima para baixo.



Case: estudo de caso, normalmente abordado em empresas;   



CEO : Chief Executive Officer, ou pela sigla CEO, em inglês) é o cargo que está no topo da hierarquia operacional de uma empresa. Ele possui a responsabilidade de executar as diretrizes propostas pelo Conselho de Administração, que por sua vez é composto por representantes dos acionistas da empresa                



Chaku Chaku: Do Japonês, significa “Carrega Carrega” (Célula com carga e descarga)



Check-up Organizacional: De acordo com Newman e Warren (1980) o diagnóstico organizacional representa um importante meio de verificação temporal e espacial que objetiva analisar a empresa ou determinado processo como um todo.            



Ciclo PDCA: Método de controle de processos (caminho para atingir as metas estabelecidas), composto de quatro fases básicas: P (Plan) Planejamento, D (Do) Execução, C (Check) Verificação e A (Act) Ação Corretiva. Em sua forma mais simples e reduzida temos as fases: P - definição das metas e determinação dos métodos para alcançar as metas; D- educação, treinamento e execução do trabalho; C - verificação dos efeitos (resultados) do trabalho executado; A - atuação no processo em função dos resultados. Na utilização do método PDCA poderá ser preciso empregar várias Técnicas Estatísticas.     



CIP: Do inglês Continuos Improviment Process ou Melhoria continua do Processo



Círculo de controle da qualidade-CCQ: Grupo voluntário e permanente de pessoas de um mesmo setor de uma organização que recebem treinamento objetivando a prática do controle de qualidade dentro deste setor, como parte das atividades do TQC (GQT). Segundo Ishikawa, K.: “ As idéias básicas por trás das atividades de um CCQ são: - criação de um ambiente de trabalho feliz, no qual haja respeito à natureza do ser humano e possibilite sua satisfação; - desenvolvimento das infinitas possibilidades da capacidade mental humana e viabilização de sua aplicação; - contribuição para o melhoramento e desenvolvimento da organização” e “Não existe TQC sem CCQ. Não existe CCQ sem TQC.”         



Coaching: Do inglês significa acompanhar (no sentido de treinar) ,projeto com início, meio e fim, definido em comum acordo entre o coach (profissional) e o coachee (cliente), conforme a meta desejada por este. O coach apoia o cliente na busca de realizar metas de curto, médio e longo prazos, por meio da identificação e do uso das próprias competências desenvolvidas, como também do reconhecimento e da superação de suas fragilidades, para que ele atinja novos objetivos; 



Competência: Mobilização de conhecimentos (saber), habilidades (fazer) e atitudes (querer) necessários ao desempenho de atividades ou funções, segundo padrões de qualidade e produtividade requeridos pela natureza do trabalho.            



Competitividade: Capacidade da organização apresentar-se competitiva. A competitividade garante a sobrevivência da organização. Ser competitivo é ter maior produtividade que os concorrentes.                            



Conceito do TQC: O conceito do TQC é regido pelos princípios básicos seguintes: 1 - Orientação pelo cliente ou Controle da Qualidade ofensiva (ver). 2 - Qualidade em primeiro lugar: garantir a sobrevivência da organização pela maior produtividade conseguida como domínio da qualidade. 3 - Ação Orientada para os “poucos problemas vitais” (ver Análise de Pareto). 4 - Falar, raciocinar e agir orientando-se por fatos e dados concretos. Fique atento para: “Dados corretos são difíceis de serem obtidos. Se alguém lhe mostra seus dados considere-os suspeitos. Se alguém lhe mostra seus instrumentos de medida considere-os suspeitos”. Ishikawa, K. 5 - Gerenciar a organização ao longo do processo e não por resultados. 6 - Reduzir a dispersão (ver) atuando sobre suas causas. 7 - O processo seguinte é seu cliente (interno ou externo): não passar para frente produtos defeituosos. 8 - Procurar prevenir a ocorrência de problemas atuando cada vez mais a montante. 9 - Prevenir com ação preventiva de bloqueio, para que o mesmo problema não se repita. 10 - Respeitar os empregados como seres humanos independentes. 11 - Definir e garantir a execução da Visão e da Estratégia da Alta Direção da Organização.         



Cultura organizacional: As empresas, tal como os países, têm uma cultura única. É, por isso, crucial que as empresas divulguem de forma explícita quais são os valores que valorizam. Quando o fazem por escrito, o documento chama-se declaração de missão. Para James Collins e Jeremy Porras, autores do livro Built to Last, a razão por que algumas empresas têm sucesso a longo prazo, enquanto outras acabam por desaparecer está na cultura organizacional. Nesta era de incerteza tudo deve ser posto em causa, à exceção dos valores. Esses têm de ser imutáveis.        



Custo da má qualidade: Custo decorrente dos defeitos e deficiências de um produto ou serviço.             



Custo final para o comprador: Inclui o preço do produto e das despesas decorrentes do seu desempenho e das irregularidades de seu funcionamento.



Custo: Representa o conjunto de valores que a organização retira da sociedade (materiais, energia, informação) e aos quais agrega valor para esta mesma sociedade. Uma das cinco dimensões da Qualidade Total. 



Customizado: Adota-se nas organizações, para os produtos com nenhuma ou muito pouca variação.



Custos da não qualidade: São os custos não visíveis e dificilmente quantificáveis como perdas com a paragem de máquinas, atrasos, quebras de stocks, defeitos, horas extra e outras ineficiências.          



Custos da qualidade: Parte dos aspectos econômicos da qualidade, considerando-se os gastos incorridos para assegurar e garantir a qualidade, bem como as perdas incorridas quando a qualidade satisfatória não é obtida.



Custos relativos à qualidade: Custos incorridos e garantir e assegurar a qualidade bem como aqueles decorrentes das perdas, quando esta qualidade não é obtida.    



Deadline: prazo final     



DFMA   Design For Manufacturing and Assembly, do ingles significa projeto para fabricação e montagem.



DIAGNÓSTICO DE DESEMPENHO OPERACIONAL (DDO) É uma metodologia contínua e sistemática para avaliação de produtos (bens e serviços) e processos de uma organização. É uma técnica profundamente detalhada que permite ganhos de aproximadamente 10% do faturamento líquido.        



Diagnóstico Empresarial: De acordo com Newman e Warren (1980) o diagnóstico organizacional representa um importante meio de verificação temporal e espacial que objetiva analisar a empresa ou determinado processo como um todo.



Diagrama de causa e efeito: Mostra a relação entre um conjunto de causas (processo) que provoca um ou mais efeitos. É uma forma organizada de correlacionar o efeito com suas causas, agrupando-as em “famílias de causas”, tais como: Matéria-Prima, Máquina, Mão de Obra, Medida, Método e Meio Ambiente. O Diagrama de Causa e Efeito proporciona ao gerente melhor entendimento de que ele tem autoridade sobre as causas e responsabilidade sobre os efeitos (resultados) de um processo. É também conhecido como Diagrama de Ishikawa ou de Espinha de Peixe. É uma das Sete Ferramentas da Qualidade.     



Ebitda o Ebitda: é a sigla inglesa de Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization e que em português significa, literalmente, Resultados antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização. O EBITDA é também muitas vezes designado por cash-flow operacional, (embora seja de realçar que difere do cash-flow operacional apurado com o mapa de cash-flows), e representa o dinheiro gerado pela empresa e disponível para: Financiar os investimentos em bens de capital (capex); Financiar as necessidades de Fundo de Maneio; Efectuar o pagamento de impostos; Cumprir os encargos com a dívida; Criar reservas; Remunerar os acionistas através de dividendos. Fórmula de Cálculo: EBITDA = Resultado Operacional (EBIT) + Amortizações + Provisões + Perdas não recorrentes que afetem o EBIT - Ganhos não recorrentes que afetem o EBIT.     



Ecogestão: A idéia de uma empresa responsável perante o ambiente e a sociedade era apenas um sonho dos ecologistas. Hoje, os governos investem em programas de apoio, criam legislação mais eficaz e controlam a eficácia dessas medidas. Em muitos países há um sistema de atribuição do selo ecológico aos produtos amigos do ambiente. Mas a mudança decisiva teve origem na crescente preocupação ecológica dos consumidores, cujos hábitos de compra passaram a premiar as empresas e os produtos respeitadores do ambiente. Também a maioria das multinacionais está a apostar nos produtos verdes. Quem ganha somos todos nós. 



Educação e treinamento: Atividades que visam formar a base de sustentação do TQC e da manutenção da continuidade do processo de melhorias. (Ver Educação). É a fase conceitual que antecede ao treinamento. (Ver Treinamento no Trabalho, Autodesenvolvimento, Treinamento em Grupo)        



Educação: Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do ser humano, visando a sua melhor integração individual e social.                    



Eficiência: Conjunto de atributos que evidenciam o relacionamento entre o nível de desempenho do software e a quantidade de recursos usados, sob condições estabelecidas. [NBR 13596] Tem como subcaracterísticas: comportamento em relação ao tempo e comportamento em relação aos recursos.        



Empowerment: Processo de delegação de poder aos colaboradores, particularmente àqueles que integram a linha de frente.



EPEI: Do inglês Every Parts Every Interval significa Toda Peça em Todo Intervalo.



Estrutura organizacional: Responsabilidades, vinculações hierárquicas e relacionamentos, configurados segundo um modelo, através do qual uma organização executa suas funções.            



Excelência: Nasceu em 1982 com a publicação de In Search of Excellence, de Peters e Waterman. Para os autores, as empresas excelentes têm oito características distintivas: inclinação para a ação; proximidade do cliente; autonomia individual; apostar nas pessoas; criação de valores; manter-se no que se domina; simplicidade formal; e existência em simultâneo de rigidez e flexibilidade. Mais importante do que a seleção das empresas excelentes (a maioria deixou de o ser alguns anos depois) e dos seus oito atributos (parte deles deixaram de ser respeitados por essas mesmas empresas), a obra foi o símbolo da nova forma de encarar a gestão.      



Expertise: conhecimento técnico            



Feedback: trata-se de informar o colaborador sobre o seu desempenho, conduta ou a respeito de uma eventualidade, buscando estimular e reorientar ações, com o objetivo de maximizar o seu desempenho           



Fidelização de clientes: Engloba as técnicas destinadas a conservar e atrair os melhores clientes de modo a aumentar a sua fidelização à empresa. Vários estudos já demonstraram que recrutar novos clientes é três a cinco vezes mais caro do que conservar os existentes e encorajá-los a consumir mais. Aumentar a fidelidade exige detectar as principais causas de insatisfação dos consumidores, nomeadamente as razões que os levaram a recusar um produto ou serviço ou a preferir o de um rival. Em seguida, as empresas devem corrigir esses pontos e melhorar a qualidade oferecida aos clientes em todas as áreas. A meta final é criar uma organização totalmente orientada para o cliente (customer-driven company).         



FIFO: Do inglês First In First Out significa Primeiro que entra e Primeiro que Sai, também conhecido como PEPS



Fluxograma: Diagrama que apresenta o fluxo ou seqüência normal de um trabalho ou processo, através de uma simbologia própria. Maneira gráfica de se visualizar as etapas de um processo. É o modo mais eficaz e seguro de se identificar os clientes. As principais vantagens dos fluxogramas são as seguintes: permitem uma melhor compreensão do conjunto, de modo que cada integrante da equipe tenha um pleno conhecimento do processo como um todo e não apenas do seu departamento; tornam o processo mais claro para os que não fazem parte da equipe; facilitam a fixação dos limites de cada processo ou tarefa.



FMEA - Failure Modes and Effects Analysis: Análise dos Modos de Falhas e seus Efeitos - Método de análise de produtos e processos que permite uma avaliação sistemática e padronizada de possíveis falhas, estabelecendo suas conseqüências e orientando a adoção de medidas corretivas (preventivas). Fornece pistas para a execução de melhorias nos sistemas, mediante a descoberta de pontos problemáticos. O ponto problemático é enfocado a partir da causa, raciocinando na direção do efeito (falha-problema). Seus objetivos são: - identificar as falhas críticas em cada componente          



Follow up: dar prosseguimento a uma discussão ou debate, retomando temas para atingir soluções. Também pode significar revisão das tarefas que foram geradas após uma reunião ou auditoria, quando os prazos para realização se esgotaram. Significa ainda ligar para o cliente, a fim de acompanhá-lo; 



Formulação estratégica: É o processo mediante o qual a organização estabelece sua identidade organizacional, analisa seu ambiente externo e interno, atual e futuro e elabora estratégias orientadas para o mercado. O processo de Formulação Estratégica é focado na busca do melhor caminho a ser seguido para garantir a sobrevivência e crescimento sustentável da organização a longo prazo. O processo proporciona condições favoráveis para o desenvolvimento do pensamento estratégico, permitindo que os envolvidos internalizem os conceitos, metodologias e ferramentas e possam utilizá-los nas suas organizações. A Formulação Estratégica tem interface direta com o GPD e Gerenciamento de Projetos.     



Franchising: Um método popular para uma empresa alargar a sua base de clientes sem necessitar de investir capital e para um candidato a empresário criar um negócio sem constituir uma empresa de raiz. Há dois parceiros envolvidos: o franchisador, que desenvolveu o negócio e lhe deu o nome; e o franchisado, que compra o direito de operar sob esse nome. Um negócio torna-se franchising quando o franchisado paga direitos de entrada e royalties (geralmente uma percentagem fixa do volume de negócios) pela utilização da marca, produto ou serviço. Em contrapartida, recebe apoio do franchisador e o direito a distribuir o produto ou serviço numa área determinada.      



Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia- (Kanri): Ações e verificações diárias conduzidas para que cada pessoa possa assumir as responsabilidades no cumprimento das obrigações conferidas a cada indivíduo e a cada organização. Conjunto de atividades voltadas para alcançar os objetivos atribuídos a cada processo. Estas atividades são: definição de função, macrofluxograma, determinação dos itens de controle, montagem (de forma participativa) dos fluxogramas das tarefas para ajudar a padronização, definição dos métodos para se atingir as metas; definição clara dos problemas e de como resolvê-los com participação de todas as pessoas e, finalmente, educação e treinamento do pessoal. Pode também ser definido como: prática do controle da qualidade baseada na padronização e consta de: estabelecer padrões para a satisfação das necessidades das pessoas, manter padrões e melhorar estes padrões. Significa também, obedecer a normas, evitar alterações ou mudanças. Se este gerenciamento estiver bem montado o produto ou serviço apresentará sempre o mesmo padrão de qualidade. O mesmo que Gerenciamento Interfuncional (ver). Ver Gerenciamento pelas Diretrizes.           



Gerenciamento da rotina Gerenciamento (controle) das tarefas do dia-a-dia da organização. (ver Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia).           



Gerenciamento de melhorias: Gerenciamento que busca a melhoria dos processos, mediante a alteração dos seus padrões, para níveis nunca antes atingidos.       



Gerenciamento de projetos (GP) : O Gerenciamento de Projetos (GP) é um ramo da Ciência da Administração que trata do planejamento e controle de projetos. A boa prática do gerenciamento de projetos produz resultados expressivos para a sobrevivência e progresso das organizações.



Gerenciamento pelas diretrizes - (Hoshin Kanri) : “É um sistema administrativo praticado por todas as pessoas da empresa, que visa garantir a sobrevivência da mesma à competição internacional” (Campos, V.F ). É um sistema voltado para atingir as metas que não podem ser atingidas pelo Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia;para resolver os problemas crônicos e difíceis da organização e os problemas importantes e desafiantes que aparecem pela necessidade de sobrevivência da organização. É constituído por dois sistemas: O Gerenciamento Funcional (ver) e Gerenciamento Interfuncional (ver). A implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes depende dos seguintes pré-requisitos: comprometimento da alta Administração; bom sistema de coleta e análise de dados; elevada competência no MASP Método de Análise e Solução de Problemas.       



Gerenciamento pelas diretrizes: Procedimentos gerenciais necessários para garantir que as diretrizes sejam executadas em todos os níveis e que as metas da alta administração sejam alcançadas através do desdobramento dos itens de controle de níveis hierárquicos mais altos para os mais baixos.



Gerenciar: No Gerenciamento da Qualidade Total gerenciar significa conduzir simultaneamente duas ações: Rotina e Melhorias. Segundo McGregor, D. “gerenciar é essencialmente resolver problemas”, e segundo Campos, V. F. “gerenciar é essencialmente atingir metas. Não existe gerenciamento sem metas.”       



Gerenciar pela qualidade: É gerenciar a organização para satisfazer as pessoas a quem ela atende.       



Gestão à vista: Gestão à base de um sistema que possibilite que os principais itens de controle estejam em fácil acesso a toda a equipe, seja através de gráficos, dados, informações gerenciais que permitam uma rápida e fácil visualização e interpretação dos mesmos           



Gestão ambiental: Tomando-se por base o modelo normativo NBR ISO 14001, o Sistema de Gestão Ambiental é definido como a parte do sistema de gestão da organização que inclui estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a sua Política Ambiental.              



Gestão da inovação: É um sistema que direciona a empresa na execução das atividades para o desenvolvimento de produtos e serviços. Serve para desenvolver novos produtos e serviços, remodelar produtos e serviços já existentes e redesenhar processos. 



Gestão da mudança: A idéia não é propriamente nova. O que mudou foi a própria natureza da mudança, que de incremental e passível de previsão passou a descontínua, veloz e imprevisível. Segundo o livro Fast Forward, tema de capa desta edição, as três forças geradoras da mudança são as tecnologias, a desregulamentação e a globalização. Os gestores devem preparar-se para a mudança por meio da resposta a três perguntas fundamentais: como será a organização do futuro? Qual o processo de mudança ideal? Qual o tipo de competências que é necessário?      



Gestão da qualidade: Parte da função gerencial global que determina e implementa a política da qualidade. A gestão da qualidade inclui: planejamento estratégico, alocação de recursos e outras atividades sistemáticas para a qualidade, tais como: Planejamento da Qualidade, Manutenção da Qualidade e Melhoria da Qualidade.                    



Gestão por objetivos: Criada por Peter Drucker nos anos 50, a gestão por objetivos (management by objectives - MBO) descreve um sistema de gestão em que os trabalhadores e os gestores de topo definem em conjunto qual é o objetivo final do seu trabalho, como o realizar, de que forma será avaliado e qual o tempo necessário à concretização. É uma técnica popular em todo o mundo. Há, no entanto, três críticas clássicas à sua aplicação: os gestores tendem a definir metas pouco ambiciosas ou irrealistas; os objetivos raramente resultam de um processo participativo e descentralizado; e não promove o trabalho de equipe.



GEZ: Do alemão, Gesamteindeckung significa cobertura total das vendas pelos estoques.



Headhunter: caçador de talento;            



Interface: ferramentas que possuem um design fácil de ser usado, geralmente com ícones indicando o que representa cada função;     



ISO 14000: Designação do conjunto de normas internacionais sobre gestão e auditoria ambiental. As normas equivalentes da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas são as NBR ISO 14000 (ver). A série 14000 sobre Sistema de Gestão Ambiental (SGA) da ISO fornece às organizações uma metodologia para iniciar, aperfeiçoar ou manter um SGA de forma eficaz. Tal metodologia é essencial para habilitar uma organização a antecipar e atender às expectativas crescentes em relação ao seu desmpenho ambiental e para garantir o contínuo atendimento a requisitos nacionais e internacionais.         



ISO 9000: Designação do conjunto de cinco normas internacionais sobre Gerência da Qualidade e Garantia da Qualidade. As normas equivalentes da ABN - Associação Brasileira de Normas Técnicas são as NBR ISO 9000.     



ISO International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização): O ISO/TC 176 (Technical Committee) é um Comitê Técnico, organizado dentro da ISO, que se encarrega do Sistema de Qualidade.     



Job Rotation: Do inglês significa Rotatividade no Trabalho.



Just in time: sistema que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata, ou seja, primeiramente vende-se o produto para depois comprar a matéria-prima e posteriormente fabricá-lo ou montá-lo. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos decorrentes;



Just-in-time: Expressão utilizada no ocidente para traduzir uma filosofia e as técnicas de apoio à produção criadas e aperfeiçoadas pela Toyota (Sistema Toyota de Produção). Este sistema de produção requer que as peças sejam fornecidas ao processo seguinte somente na medida do necessário, com pequeno armazenamento prévio. Requer ainda que apresentem qualidade para evitar desperdícios. A grande vantagem do sistema “Just-in-time” (entrega em cima da hora) é a disciplina na qual ele se apoia: os processos sob controle, ou seja, qualidade, quantidade e regularidade previsíveis. O sistema just-in-time é o resultado natural do controle estatístico da qualidade, que, por sua vez, significa controle estatístico da velocidade da produção.    



Kaizen: Do Japonês significa melhorar continuamente.Se refere à prática do melhoramento (melhoria) contínuo através de pequenas mudanças, em processos existentes, utilizando-se de métodos, técnicas e da criatividade das pessoas no seu próprio setor de trabalho, em quaisquer níveis hierárquicos, sem maiores investimentos. O melhoramento contínuo compreende a conjugação dos Ciclos PDCA para Manter e para Melhorar. Palavra muito usada, inclusive com o sentido de melhoria de qualidade de vida. Tornou-se famosa por causa do livro de Imai, M. - Kaizen: The Key of Japan’s Competitive Success.             



Kanban: Do Japonês significa “Placa” para os processos de produção adotamos o significado de “Cartês”. (cartão)



Key user: aquele que conhece todos os recursos referentes a uma determinada ferramenta tecnológica



Kick Off: Do inglês significa o pontapé inicial ou a partida para um projeto.



Know how: conhecimento         



Lead Time:Do inglês, é o tempo que uma peça leva para ser produzida ao longo de todos os processos.



Lean: Do Inglês, significa limpo. Para os sistemas de produção foi adotado o significado de “Enxuto”.



Lean prodution: Engloba o conjunto de técnicas desenvolvidas nos anos 70 por fabricantes japoneses, como a Toyota e a Matsushita, para reduzir os custos de produção e aumentar a competitividade. Foi popularizado por meio do estudo sobre a indústria automóvel do MIT, designado ´The Machine that Change the World´, que investigou as causas associadas à superiodade dos nipônicos nos domínios da produtividade, flexibilidade, rapidez e qualidade. O conceito de lean prodution é baseado em quatro princípios: trabalho de equipe; comunicação; uso eficiente de recursos e eliminação de desperdícios; e melhoria contínua (a que os japoneses chamam kaisen).          



Learning organization: Criado por Chris Argyris, professor em Harvard, designa por learning organizations (organização em constante aprendizagem) as empresas que aprendem à medida que os seus trabalhadores vão ganhando novos conhecimentos. O conceito é baseado na idéia de Argyris, chamada double-loop learning (quando os erros são corrigidos por meio da alteração das normas empresariais que o causaram). Em 1990, Peter Senge, professor do MIT, popularizou o conceito por meio do best-seller The Fifht Discipline - The Art and Pratice of a Learning Organization. 



Liderança: Existem características básicas para que um indivíduo possa tornar-se um líder, tais como visão, integridade (conhecimentos, autoconfiança e maturidade) e vontade de assumir riscos. Os líderes são, em regra, pessoas muito persistentes, com grande carisma e motivadas pelo seu instinto. Segundo Warren Bennis, ´um bom gestor faz as coisas bem, enquanto um bom líder faz as coisas certas´. Enquanto para o britânico John Adair as capacidades de liderança podem ser adquiridas por meio do treino, para o norte-americano John Kotter, elas são inatas, embora todas as pessoas devam ser encorajadas a ser líderes.   



Matriz BCG: Da autoria da consultora Boston Consulting Group é um instrumento analítico de apoio à tomada de decisões estratégicas, caso das relativas ao portfólio (carteira) de negócios ou produtos. O modelo BCG é um dos pioneiros e sem dúvida o mais popular devido à sua simplicidade. Para o aplicar será necessário construir uma matriz, cujo eixo horizontal é representado pela variável quota de mercado relativa (alta à esquerda e baixa à direita) e no eixo vertical está a taxa de crescimento do mercado (elevada em cima e reduzida em baixo). A matriz dá origem a quatro quadrantes: interrogações (question-marks); estrelas (stars); vacas leiteiras (cash-cows); e cães (dogs). 



MBA (Master Business Administration): curso de especialização             



Melhoramento contínuo: Ver Kaizen.                   



Melhoria da qualidade: Ações implementadas em toda a organização a fim de aumentar a eficácia e a eficiência das atividades e dos processos para proporcionar benefícios adicionais tanto à organização quanto aos clientes.     



Melhoria: Mudança organizada, movimento para se obter níveis de desempenho nunca antes alcançados, criar novos produtos, novos processos e mercados, reduzir custos, aumentar a produção, qualidade e lucro. Melhorar é solucionar problemas.  



Método 5w1h : Tipo de Check-list utilizado para garantir que a operação seja conduzida sem nenhuma dúvida por parte da chefias e subordinados. Os 5W correspondem às seguintes palavras do inglês: What (o que); Who (quem); Where (onde) When (quando) e finalmente Why (por que). O 1H corresponde a How (como ou seja, método a ser utilizado para conduzir a operação. Atualmente, procura-se incluir um novo H (How much/Quanto custa),         



MFV: Mapeamento de Fluxo de Valor (o mesmo que VSM)



Milk Run: Do inglês significa a corrida do Leiteiro. Em logística entende-se como o roteiro que se faz com um veiculo a fim de coletar peças e produtos de varias fontes.



Networking: Rede de contatos. Um termo importado da informática relativo à ligação entre terminais de computador para que o acesso aos dados possa ser partilhado por diversos utilizadores. O melhor exemplo de networking à escala global é o da Internet, que permite a ligação em rede e on line (em tempo real) entre um ou vários indivíduos localizados em qualquer ponto do mundo. É uma expressão que pode igualmente designar a forma como as grandes companhias de serviços (auditoras, consultoras, agências de publicidade, ou firmas de advogados) se podem internacionalizar sem recorrer à abertura de novas delegações regionais.           



               



OEE: Do inglês Overal Equipment Effectivness significa. Efetividade Total do Equipamento.



One piece Flow: Do inglês que significa, Uma peça no Fluxo. (fluxo de uma peça)



Otimização de processos: Técnicas estatísticas importantes na fase de análise das causas mais prováveis do problema considerado no giro do PDCA para melhorar. Para sua utilização, na maioria das situações, será necessário realizar interfrências no processo, ou seja, deverão ser provocadas alterações planejadas e controladas nos fatores do processo com o objetivo de observar as mudanças correspondentes nos seus efeitos. Este procedimento irá gerar informações que serão processadas para que possamos confirmar as causas mais prováveis e determinar o sentido no qual o processo deverá ser direcionado, com o propósito de atingir a meta de melhoria.                             



Outplacement: benefício que uma empresa oferece ao ex-funcionário, que consiste no aconselhamento, no apoio, na orientação e no estímulo para recolocá-lo em outra organização;            



Outsourcing: obtenção de mão-de-obra externa por parte de uma empresa; contratação de serviços terceirizados, com o intuito de reduzir os custos internos, aproveitando o conhecimento especializado de outras organizações;           



Overhead: Termo utilizado para descrever os custos e despesas que não podem ser alocados diretamente aos produtos. São denominados de Custos Administrativos, no qual inclui: despesas fixas da matriz, do escritório central, da diretoria, do conselho de administração da empresa e outras despesas desta natureza.        



Pensamento estratégico: As décadas de 70 e 80 foram a época áurea o planejamento estratégico. Na prática, a maioria desses planos acabou por fracassar. Henry Mintzberg diagnosticou os motivos. Segundo ele, o excesso de análise cria uma espécie de paralisia. Por outro lado, considera que não se deve separar o planejamento da ação. Enquanto planear é um exercício analítico, a estratégia baseia-se na criatividade, intuição e capacidade de síntese. Para designar esta última atitude propõe, em alternativa, o termo ´pensamento estratégico´.  



PHEK: Do alemão Plan Herstelkosten significa custos planejados de Produção.



Planejamento da qualidade: Atividade de desenvolver os produtos e processos para atender às necessidades dos clientes. Envolve uma série de etapas entre as quais: determinar quem são os clientes; quais são as suas necessidades; desenvolver características de produtos que respondam às necessidades dos clientes; desenvolver processos capazes de produzir tais características e finalmente, concretizar os planos. Planejar a Qualidade, consiste, pois, em identificar as necessidades dos clientes e desenvolver os produtos e processos necessários ao seu atendimento.  



Planejamento estratégico: Conjunto de atividades necessárias para determinar as metas (visão) e os métodos (estratégia) e o desdobramento destas metas e métodos. É a arte gerencial de posicionar os meios disponíveis da empresa visando manter ou melhorar posições relativas a potenciais favoráveis a futuras ações táticas na guerra comercial. O planejamento estratégico visa garantir a sobrevivência da empresa. É o processo de decidir a partir dos objetivos, das suas alterações e dos recursos utilizados para alcançá-los, as diretrizes que irão nortear a aquisição, o uso e distribuição desses mesmos recursos.      



Planejamento para a qualidade: Estabelecimento e desenvolvimento de objetivos e requisitos para a qualidade de uma entidade e dos procedimentos administrativos e operacionais para seu cumprimento.       



Planejamento: Processo que envolve tomada de decisões e avaliação prévia de cada decisão, de um conjunto de decisões inter-relacionadas. Processo de estabelecer objetivos a serem atingidos no futuro.      



Poka-Yoke: Do japonês significa dispositivo à prova de erros.



PPM: Partes por milhão



PQFG - Processo: Conjunto de tarefas distintas, interligadas, visando cumprir uma missão. Conjunto de causas que produzem um ou mais efeitos (produto). Define-se um processo agrupando em seqüência todas as tarefas dirigidas à obtenção de um resultado, bem ou serviço. Isto equivale a dizer que um processo é constituí- do de pessoas, equipamentos, materiais ou insumos, métodos ou procedimentos informações do pro cesso ou medidas, condições ambientais, combinados de modo a gerar um produto (bem ou serviço). Uma série de tarefas correlatas pode ser chamada de processo e um grupo de processos correlatos pode ser visto como um sistema. Qualquer organização ou empresa é um processo e dentro dela encontramos diversos processos de manufatura ou serviços. Um processo é controlado através dos seus efeitos.     



Produtividade: Quociente entre faturamento e custos. Inclui todos os insumos da empresa: Equipamentos e Materiais (hardware); Procedimentos (software) e Ser Humano (humanware). É a relação entre o que a empresa produz e o que ela consome. É o mesmo que Taxa de Valor Agregado. 



Programa 5S: Programa de gerenciamento participativo que objetiva criar condições de trabalho adequadas a todas as pessoas em todos os níveis hierárquicos da organização. É um bom programa para iniciar o melhoramento do Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia (ver). A sigla 5S deriva das iniciais de 5 palavras japonesas: SEIRI - (senso de utilização) Classificar e selecionar os utensílios, materiais e equipamentos adequados para o trabalho, incluindo também informações e dados. Corresponde, pois, a iden- tificar o necessário e descartar o desnecessário. SEITON - (senso de ordenação) Ter o lugar certo para guardar os objetos, organizando o local de trabalho. É também organizar o sistema de armazenamento e reposição de dados e informações. É ordenar o necessário para acesso rápido. SEISOU - (senso de limpeza) Manter o local de trabalho limpo. Limpar e não sujar. É também ter apenas as informações e dados necessários para as decisões e tarefas específicas. SEIKETSU - (senso de sáude) Manter boas condições de higiene e sanitárias verificando itens como: iluminação, ventilação, polui- ção atmosférica, ruído, temperatura ambiente, etc. É também manter boa apresentação de dados e informações para fácil assimilação e compreensão. Exercitar os 3S anteriores e preocu- par-se com sua saúde fisica e mental. SHITSUKE - (senso de autodisciplina) Hábito de observar preceitos, normas, exercício do autocontrole e autodireção bus- cando manter aquilo que foi conseguido. SHITSUKE - (senso de autodisciplina) Hábito de observar preceitos, normas, exercício do autocontrole e autodireção buscando manter aquilo que foi conseguido.            



Project Management:  A Gestão de Projetos (project management) é baseada na formação de equipas temporárias e pluridisciplinares. Trata-se de um grupo de trabalho constituído por empregados provenientes de diferentes sectores da empresa que tem um projeto a desenvolver e que é validado pela direção-geral. Os membros devem ter especializações e competências diversas. A equipa deve ser colocada sob a responsabilidade de um chefe de projecto que depende diretamente da direção-geral. Os membros são desligados, total ou parcialmente, mas apenas de uma forma temporária, do seu serviço de origem.    



Qualidade: Produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente, de forma confiável, de forma acessível, de forma segura e no tempo certo, as necessidades do cliente” (Campos, V.F.). “Qualidade deve ser definida como cumprimento de requisitos” (Crosby, P.B.). A palavra Qualidade tem diversos significados, todavia podemos especificar alguns desses significados essenciais no planejamento da própria qualidade e no planejamento estratégico da empresa. No que se refere ao desempenho, a qualidade aponta para características indicadoras da satisfação do cliente frente a produtos ou serviços. Relacionada à satisfação do cliente, a palavra qualidade também se vincula a “ausência de defeitos ou falhas”. Todavia, não podemos perder de vista que um produto ou serviço sem deficiências não significa necessariamente que satisfaça o cliente, porque algum produto ou serviço concorrente pode apresentar um desempenho melhor, atraindo o cliente. Qualidade também significa adequação ao uso.    



Qualidade total: Abrange as cinco dimensões da qualidade dos produtos e das pessoas, que afetam a satisfação das necessidades dos clientes: 1 - qualidade intrínseca (ver) do produto (bem ou serviço). 2 - custo (ver) (preço). 3 - entrega/atendimento (ver) (prazo certo, local certo, quantidade certa). 4 - moral (ver): nível médio de satisfação de um grupo de pessoas que trabalham na organização. 5 - segurança (ver) do usuário do produto e das pessoas da organização.     



Qualitivity: termo traduzido para o inglês, por neologismo, oriundo da palavra qualitividade, que significa uma integração de outras duas palavras : qualidade e produtividade portanto, uma unidade de medida que equilibra um desempenho otimizado com a melhor qualidade combinada com a melhor produtividade, ou seja fazer da melhor forma no menor tempo e/ou custo.       



Ramp-up: Do inglês significa Subida da Rampa ou o estagio em que o produto encontra-se até estabilizar a produção.



Reengenharia: Mudança ou melhoria que envolve um repensar radical da forma como a organização gere o seu negócio, incluindo a pertinência ou não de algumas das suas atividades. A gestão da qualidade diz respeito tanto a mudanças radicais (reengenharia) como a pequenas alterações incrementais.  



Reestruturação de empresas: A Reestruturação pode ser aplicada para processos específicos, funções dentro da empresa ou na empresa como um todo. Cada caso exige uma abordagem e uma metodologia diferente devido à variedade de formatos e estruturas de organização e atividades específicas.A empresa deve fazer reestruturação quando percebe que a estrutura organizacional não contribui mais para o alcance de seus objetivos empresariais.         



Risk management : Gestão do Risco, significa fazer a análise, controlo e seguro ideal dos riscos de uma empresa. Visa antecipar, analisar e valorizar os riscos de funcionamento da empresa de modo a minimizá-los. Implica otimizar a qualidade/custo dos diferentes seguros da companhia. O método inclui todos os tipos de riscos clássicos (caso da segurança de pessoas e bens) e também alguns cuja freqüência ou amplitude cresceu nos últimos anos, tais como riscos de cópias, os ligados ao meio ambiente ou as despesas médicas dos empregados).           



Seis Sigma: Seis Sigma é hoje o programa mais importante de melhoria de processos e redução de custos. Trata-se de uma estratégia gerencial de mudanças para acelerar o aprimoramento em processos, produtos e serv